Arquivo mensal: maio 2010

11 vidas

Capítulo 3 – Verdades, inimigo e reconciliação

Quando ela me soltou, eu percebi que ela estava chorando.

A maquiagem borrada dela manchou minha blusa, mas eu não estava nem ligando.Dormimos no chão frio de um corredor, tendo apenas o calor dos nossos corpos e um cobertor velho para nos aquecermos. Continuar lendo 11 vidas

Anúncios

Círculos não são perfeitos

Eu odeio correr em volta da piscina.  Não por causa do exercício em si, é porque me dá muito tempo para pensar.

“Eu odeio pensar”

Toda aula de educação física é assim. Ficamos correndo em círculos. Que simbólico.

“Eu odeio simbolismo barato”

Sempre corro sozinho porque preciso pensar . Eu odeio, mas preciso. Tem um monte de coisa que eu odeio e preciso. Tipo você.

“Eu te odeio. Eu te amo. Enfim, sinto algo muito forte por você. Droga!”

A maioria das pessoas só correm quando chegam perto do professor, eu não. Eu corro uma volta e ando outra. É pra não cansar.

“Mas eu me canso do nosso jogo de gato e rato”

Toda vez que passa alguém do meu lado eu acho que é você. Eu gostaria que você estivesse correndo ao meu lado.

“Acho que gosto de ver você correndo. Acho que gosto de você. Eu só sei que você faz diferença na minha vida e nem sabe disso”

Ás vezes eu acho que você gosta de mim. Sério. Seria tão bom, mas tento não fazer planos para o futuro. É duro relembrar o que nunca aconteceu.

“Você passa do meu lado e me chama pelo meu nome no diminutivo. Dá pra parar com isso? É que dói”

Não seja gentil comigo, nem legal. O melhor seria nos mantermos afastados.

“Mas daí eu me pergunto. Melhor pra quem?”

É claro que fugir é muito mais fácil. e é isso que estamos fazendo. Correndo. Sem ao menos uma linha de chegada, mas isso não importa, o importante é continuar correndo.

“Eu te amo, e odeio quando me machuco com você. Mas o amor não era para ser algo bom? Ah, relapso meu. O amor é lindo, na reciprocidade. Não é o nosso caso. Não ainda.”

O professor finalmente fala para para de correr. Mas nós não vamos. Continuaremos a andar em círculos.

“Eu odeio ser complexo demais. Eu odeio odiar mais do que amar. Eu odeio ter que tomar decisões. Mas vou definir meus extremos para tentar achar o equilíbrio:

Ódio: É quando você não corresponde as minhas expectativas, é quando minto para mim mesmo, é quando coloco a culpa em você pelos meus erros, é quando sou frágil sendo forte, é quando tento aparecer para você e quando falo mais do que deveria.

Descobrir que a definição de Amor se resume em uma palavra: Você. “

Thiago B.

Eu queria

Pausar o tempo e pensar antes de te dizer oi, mas eu sou idiota o bastante para te olhar o mais rápido possível

Que nos voltássemos a ser como antes, mas para que lembrar quando é muito mais fácil esquecer?

Te dizer o quanto te amo, mas você é uma pessoa estúpida demais para fingir que não se importa

Que você soubesse que eu te odeio, mas você sabe e acha graça

Não ficar assim por você, mas você tem aquele não-sei-o-que que me deixa sem ar

Que isso acabasse, e vai, eu sei que eu vou sentir falta de te amar, mas o amor não precisa ser eterno para ser ótimo

Que você parasse de brincar comigo, mas eu não sei quem de nós dois é mais idiota: você que finge não se importar ou eu que me importo demais

Aguentar suas idiotices, e o pior é que eu aguento e ainda me divirto

But I just wanted, cause when you smile, just at that moment, the time stops and you are perfect

Brick by Boring Brick

Desculpe por te odiar, você não tem culpa de nada. Você não tem culpa de não me ver como eu te vejo. Você não tem culpa da minha tristeza. Você não tem culpa porque você simplesmente não existe. Eu que te criei. Criei um alguém que está do meu lado, que me ama e beira a perfeição. Claro que você não é assim. eu sou um péssimo criador. Sabe o que mais me dói? É que no final você é só mais um que venho e que vai. E eu, que não conseguiria deixar você passar em vão, criei uma marionete sua, que vai me deixar mais uma cicatriz, até o dia em que eu irei sair do meu castelo de areia e acabar com todo o ridículo conto de fadas que eu me prendi para me proteger da verdade. Você não me ama. Mas eu sei que não vou derrubar meu castelo tão cedo. Hoje eu faço mais um ano de vida e as coisas continuam as mesmas e só depende de mim acordar eu mesmo.

A verdade é que eu tenho medo de acordar, de não ter mais o controle da minha vida, o que na verdade é só mais uma mentira do meu reino. Se eu realmente tivesse o controle, eu nunca teria criado uma marionete sua. Talvez eu não conseguiria te amar como você é de verdade. Mas tem algo no seu verdadeiro “eu” que eu admiro. Muito. Você não cria reinos, castelos e marionetes. Você prefere sofrer na verdade do que ser relativamente feliz na mentira. Parabéns, você tem o que eu procuro. Talvez eu te ame do jeito que você é. Talvez você seja a chave do meu castelo. Pena que são apenas suposições. Mas, de verdade, seria bom sair do meu wonderland. Quem sabe… mas não hoje, hoje é meu aniversário, hoje é mais um dia comum, a única diferença é que as coisas continuam as mesmas.

P.S: A imagem é do Chow Hon Lam. Sim, eu adoro as ilustrações dele.

I should be happy, but all I do is cry

Hoje minha tia perdeu o bebê e amanhã é o meu aniversário. Mesmo sabendo que eu não tenho culpa de nada, eu me sintoculpado. Culpado por fazer mais um ano de vida quando alguém muito próximo de mim nunca vai fazer nenhum. Culpado por ficar feliz amanhã mesmo sabendo que minha tia estará retirando o bebê. E o pior disso tudo é que a vida continua, o mundo não vai parar com a minha dor, os professores não serão menos chatos por causa da minha dor, todos estarão rindo e me dando feliz aniversário sem saber que estou entre a cruz e a espada. Sem saber que eu levei um cheque-mate.

 

Thiago B.