Arquivo mensal: julho 2010

11 vidas

Capítulo 9 – Bem vindo ao purgatório.

Acordei tarde naquele dia de junho. O dia do encontro com ela. Continuar lendo 11 vidas

Anúncios

Oz

Me dê  sua mão e deixe-me lhe mostrar o caminho. Caminho esse, difícil eu sei. Não vou mentir e dizer que será mais fácil com você. Na verdade, será muito mais difícil. Eles vão dizer que a culpa é sua, que a culpa é minha. Que a culpa é nossa. Quando, na verdade, não há culpa.

Mas, mesmo assim…

Me dê sua mão e deixe-me lhe mostrar o caminho. Um caminho de pedras amarelas, como o de Dorothy no mundo do mágico de Oz. Vocês será o leão covarde e eu, o espantalho sem cérebro, já que a nossa volta, o caminho será enferrujado.

Venha…

Me dê sua mão e deixe-me lhe mostrar o caminho. Porque não há um pote de ouro no final do arco-íris. Mas eu quero chegar ao fim da estrada, só pra saber o que há lá. Eu quero brincar de cabra-cega no escuro. Andar descalço no caminho ainda desconhecido. Sim, eu quero ir até o final, e mesmo se o que tiver lá não valer a pena, bom, valerá a pena chegar com você.

Ande…

Me dê sua mão e deixe-me lha mostrar o caminho, mesmo que o final não valha a pena. Mesmo que o fim seja apenas isso.

Um grande e vazio fim.

(E você terá me dado a sua mão não importa o que aconteça. Não importa aonde esteja. Aqui e Agora).

 

Thiago B.

E eu tenho medo de acreditar…

E eu estava com medo de acreditar…

Olho no olho, de olho na boca. Os centímetros de distância evaporavam devagar, mas não era ruim, pelo contrário, aqueles momentos suspensos no ar pareciam mágica.

Eu estava com medo de acreditar.

Seus lábios eram um pouco úmidos, mas só um pouco. O tão esperado beijo, o tão desejado beijo, o tão escrito beijo. Tantas vezes imaginado e mesmo assim parecia tão longe, inatingível. E estava ali.

Mas eu estava com medo de acreditar.

Sei que durou alguns segundos apenas, e um tantinho de eternidade também, mas não teve coisa melhor do que olhar pra sua cara de dúvida e felicidade depois.

Embora eu estivesse com medo de acreditar.

Antes que você desapareça, ou suma, antes de fazer qualquer coisa que possa te tirar daqui agora, me beije de novo e deixe que tudo desapareça enquanto você tenta me provar que não é um sonho.

Porque eu estava com medo de acreditar.

De fato, é um sonho. Não desse que a gente sonha na cama, nem desse que a gente sonha acordado. É um sonho, e nada mais deveria passar disso. Você é um sonho, e antes que vire um pesadelo, vou te beijar como se nada disso importasse. Nada disso realmente importa.

E eu ainda estava com medo de acreditar.

Porque enquanto meu coração pula, as mãos suam e os lábios se trocam, você está aqui. E enquanto for assim eu terei medo de acreditar.

Terei medo, um medo justificável, pois se o medo de te perder for superado pela tranquilidade de te ter, então o amor terá se transformado em bom-dia.

E eu tenho medo de acreditar.

 

Thiago B.

Foda-se o amor

E lá vou eu falar de amor de novo…

Não, eu não gosto de falar de amor. Ok, talvez eu goste. Não é um consenso comigo mesmo.

É que ontem eu pensei muito. Mais do que o normal.

Eu não quero que minha vida seja um draminha adolescente. Eu não quero ter que passar várias horas na cama porque eu estou mal por alguma coisa que não sei explicar. Ontem, sua imagem me vinha a mente a intervalos irregulares e aleatórios. Pois é, você perturbou meu sono. Pelo menos a uma conclusão eu cheguei: foda-se o amor. E daí se eu não sei dizer o que sinto por você? E daí se eu não sei dizer o que é o amor?

De verdade, eu não vou perder tempo perguntando, e nem procurando respostas.

Eu gosto de você.  Eu gosto de estar com você. Eu me sento bem com você por perto. Isso é o suficiente. Pelo menos pra mim, pelo menos por agora.

Talvez amor seja só uma porra de palavra sem significado. Talvez seja o “não-explicar”. Eu não tô ligando. Agora não.

Decidi que vou apenas passar o máximo de tempo com você. Te consumir. Sem moderação, sem compromisso.

É capaz que eu me arrependa, mas pela primeira vez vou tentar deixar as coisas fluirem. Se a amor, talvez eu nunca descubra.  Isso não importa. Eu importo. Você importa. E tudo entre nós. Enquanto dure.

E como diz uma frase de six feet under, que o Nate disse:

“Amor não é algo que se sente. É algo que se faz. E se a pessoa com quem está, não quiser, faça um favor a si mesmo e guarde pra quem queira.”

Thiago B.

Pense nisso por um segundo

Não, não foi eu quem escrevi, tava no meu tumblr e achei muito digno colocar aqui, não sei quem é o autor, anyway:

O que é amor? A palma de sua mão fica suada, seu coração acelera, e sua voz fica presa no peito? – isso não é amor, é gostar. Você não consegue manter seus olhos ou suas mãos longe dessa pessoa, estou certo? – isso não é amor, é desejo. Você esta orgulhoso, ansioso para mostrá-la? – isso não é amor, é orgulho. Você gosta dela porque você sabe que ela está lá? – isso não é amor, é solidão. Você está lá porque é o que todo mundo quer? – isso não é amor, é lealdade. Você está lá porque ela te beijou, ou segurou sua mão? – isso não é amor, é insegurança. Você continua com ela por causa de suas confissões de amor, porque você não quer machucá-la? – isso não é amor, é piedade. Você continua a pertencer a ela porque vê-la faz seu coração pular? – isso não é amor, é paixão. Você perdoa os erros dela porque você se importa com ela? – isso não é amor, é amizade. Você diz pra ela todos os dias que ela é a unica pessoa em quem você pensa? – isso não é amor, é mentira. Você daria todas as suas coisas favoritas em consideração por ela? – isso não é amor, é caridade. Seu coração quebra e dói quando ela está triste? – então é amor. Os olhos dela veêm seu verdadeiro coração e tocam sua alma tão profundamente que dói? – então é amor. Você continua com ela porque uma cegante, incompreensível mistura de dor e conexão puxa você pra perto e te segura lá? – então é amor. Você aceita os erros dela porque são parte de quem ela é? – então é amor. Você se sente atraído à outros, mas continua com ela fielmente e sem se arrepender? – então é amor. Você daria a ela seu coração, sua vida, sua morte?
Pense nisso por um segundo.