Arquivo mensal: abril 2011

Protegido: Romance de Estação

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Anúncios

Oi

-Oi?
-Oi? Como assim , oi?
-Não sei, só disse oi.
-Ah sim! (silêncio)
-Você precisa de mim, não precisa? Por isso te liguei.
-É, preciso.
-O que foi dessa vez?
-O maior dos vilões, o silêncio.
(silêncio do outro lado da linha)
-Olha aí! Te falei, o pior deles!
-Sinceramente? Não sei mais o que te dizer, sério mesmo. To cansado sabe? Você parece que não quer sair dessa, por Deus, se levanta menina!
-Sabe o que é pior?
-Não, Thaís, não sei.
-O silencio, a falta de um fim digno.
-O fim sempre é fim, termina quando não há mais folhas em branco pra preencher. E você, minha querida, escreveu tudo isso sozinha.
-É.
-É o que?
-Não sei, eu vi o fim, o fim a gente enxerga ou sente?
-Não sei. O que você acha?
-Também não sei, mas, se foi o fim naquele dia eu senti.
-Ai, Thais, de novo? Quantos fins você já teve? Me dói por você ver aonde todo aquele sentimento foi parar.
-Aonde?
-Dentro de você, você tenta enterrar todos os dias, eu sei, mas quando se enterra pode até morrer, mas, nunca irá embora, vai ficar ai dentro.
-É.
-É o que?
-Ta enterrado aqui.
-Oi?
(silêncio)
-Droga! A ligação caiu!

(texto dedicado as conversas com um amigo , Thiago Brito )

Por Thaís de Castro 

Auf Achse

http://db.tt/9KQtthJ

É bem verdade que eu tinha desistido quando fugi aquele dia. Então, do nada e inesperadamente, você ressurge das cinzas e me pede perdão. Não nego que uma onda de calor percorreu todo meu corpo, e de repente, o dia foi tão perfeito. Achei que finalmente o reconhecimento servisse de alguma coisa, como se as coisas fossem gradualmente se acertando.

Durante um dia inteiro, eu senti o doce gosto do veneno da alegria em minhas veias. Em nenhum momento pareceu não ser verdade. Fiz tudo certo. Quando começavam os devaneios, eu me concentravam em outra coisa. Não houve mentiras, nem enganação.

O problema foi outro.

Só muito depois, quando toda a adrenalina tinha passado e os hormônios não atrapalhavam mais meus pensamentos, eu entendi.

Um perdão serve pra várias coisas, mas não significa que estamos de volta. É só um pedido de desculpas, merecido até. Entendo. Tá perdoado. Quanto a mim, farei minha parte.

Vá embora, logo. Antes que eu me arrependa mais. Seja pleno e esteja no eixo.

Eu perdi o meu, estou meio caído, meio de lado. Mas obrigado por dizer o valor que tenho. Quem sabe assim, eu finalmente perceba o eixo que eu sou.

Thiago B.

a chuva diminuiu

Chove tão forte. Ainda não me acostumei com o clima dessa cidade. Entrei no apartamento, molhado até os ossos. Tava na parada de ônibus, ia pra sua casa. Mas daí veio o temporal e levou meus planos por água abaixo. eu realmente fico irritado quando as coisas não dão certo, o que acontece quase sempre. Tô com tanta saudade tua que quase posso ouvir sua voz me chamando quando coloco a cabeça no travesseiro pra dormir. Aliás, não tenho dormido muito bem. Fecho os olhos e me vem um flash de tudo que tem acontecido ultimamente. Me estresso, rolo na cama, concentro, mas o sono não vem. Não consigo esvasiar a cabeça. Levanto o meio da noite, tomo uma água, te mando uma mensagem. Pra me distrair, tento ler um livro, mas daí eu lembro que tenho um texto enorme pra decorar e fico com dor de cabeça só de lembrar que assim que passarem cinco anos, eu consigo decorar. Não adianta. Com você na minha mente o tempo todo, é difícil prestar atenção em outra coisa. Ando tão distraído que um dia desses quase que sou atropelado. Pode rir, sei que achou graça. Sei quando você acha graça. A gente se conhece muito bem. Você sabe o quanto isso me assutou no começo. Mas agora, parece tão maravilhoso. Acharia a chuva algo tão lindo se ela não estivesse atrapalhando meus planos. Sonhei com você ontem. Sonhei que eu ia em um lugar onde você estava, aparecia de surpresa. Você tava falando de mim. Eu sorria. Você olhava pra trás. Tinha sentido minha presença, sabia como era o meu andar. Acordei determinado a te ver. Mais do que o habitual. Aí vem a chuva e me atrabalha. Eu seria capaz de sair mesmo assim, nesse clima terrível, mas não quero arriscar a molhar o presente que levo no bolso da jaqueta. Que nostalgia horrível… o celular não tem sinal. Não dá pra ouvir tua voz nem pelo telefone. Ah! Que dádiva. A chuva diminuiu. Vou sair, ir te encontrar. Bate na porta do teu “apertamento”, mas não importa. Estaremos tão juntos que um apartamento grande seria desperdício. Vou tirar minha roupa e me aquecer no teu corpo. Lá fora, as ruas estaram inundando com esse temporal. Eu estarei inundado de felicidade. E mesmo que a chuva pare, não voltarei pra minha casa. Não há sol ou chuva que seja melhor que nosso clima. Não há estação do ano que seja melhor que nossa eternidade. Enquanto o mundo acaba lá fora, um novinho começa aqui dentro.

Thiago B.

Desabafo.

http://db.tt/7VHTBZX

Substantivo abstrato: que precisa de algo ou alguém para existir.

Prazer, esse sou eu.

Toda minha vida eu me apoiei em outras pessoas. E eventualmente, elas me decepcionavam. Então eu caia.

Na queda, eu me apoiava em outras coisas, outras pessoas. Mas sempre o mesmo erro. Um ciclo vicioso.

Nesses dias, eu cai de novo. E dessa vez, eu percebi, não tinha em quem me segurar. Contnuei caindo, caindo, indo…

Você se sentiu culpada por não estar presente. De fato, esteve longe da minha vida um pouco, mas não sinta culpa. Eu já deveria andar com minhas próprias pernas. Você quer me ver, me apoiar. Mas não dá muito certo. Desculpa por ser tão egoísta, mas eu realmente precisava de você naquele dia.

Substantivo abstrato, um sentimento. Me ame, me odeie, me entenda, me sinta. É necessário estar em alguém, e eu estaria mentindo se dissesse que não tenho pra quem ir. Mas quem me quer, eu não quero. E quem eu quero, não me quer. A verdade é que ninguém tá satisfeito. Será mesmo que existe amor eterno, felicidade plena, gente de verdade?  Tudo parece tão utópico pra mim agora.

Nunca, nunca mais me peça desculpas por desabafar. Você fez o que era preciso. E digo por experiência própria que se você não desabafa, você desaba.

Eu já desabei, estou tentando levantar e ser concreto. Mas mudar de classificação gramatical, meu bem, não é fácil, não é fácil…

Thiago B.

Pandora, Pobre Garota

 

 

http://db.tt/YphA4zC

 

Ela é um desastre natural. Seu nome se tornou um tabu tão grande que foi chamada de Voldemort. Mas isso é parte do Rancor, ela não é má. Acho que posso chamá-la de Pandora. Isso mesmo, é um nome ideal.

Pandora não é má pessoa , mas ela faz coisas ruins. Abriu a caixa mesmo contra os bons conselhos. A curiosidade falou mais alto.

Aliás, Pandora adora usar a curiosidade como desculpa.

E cresce e sua histórica caixa é coisa do passado. E ela nem se tocou do mal que causou. Mas isso é apenas uma face da garota.

Na verdade, ela é uma pessoa muito agradável. As pessoas gostam dela, não a julgam pelo seu passado. Ela não tem ideia da sorte que tem.

Aliás, Pandora tem ideia de pouca coisa.

Só pode ser um dom. Ela entra na vida das pessoas de maneira muito significante. Uma vez com Pandora, você irá amá-la, eventualmente. Ela tem seus defeitos devidamente reconhecidos, e ainda sim é irresistível.

Aliás, Pandora é irresistível de muitos modos.

Que mal haveria em alguém assim? É ai que começa o perigo. Ela não é a Medusa, mas você fica petrificado. Não vira pedra, mas fica preso pelo encanto. E então, de um modo que prefiro ocultar, eu me livrei. tirei a viseira que me impedia de enxergar as coisa como são. sabendo da verdade, minha decisão foi tomada.

Aliás, Pandora não toma decisões, só se importa com o agora.

Ela é inconseqüente e sua inconsequencia começa a atingir os outros a sua volta. Ela sabe que as vezes machuca, só não sabe o quanto. Vive como se não houvesse o amanhã. E do jeito que leva a vida, realmente não haverá esse amanhã. Ela não pondera. Falta equilíbrio, falta temperança.

Pobre garota, marca a vida de todos, mas ninquém é capaz de marcar a sua.

Pobre garota, todos a amam e ela é incapaz de fazé-lo.

Pobre garota, todo mundo a tem e ela está sozinha.

Pobre garota, eu ainda a amo, mas tenho pena dela, e a pena retêm o amor.

Tô me importando menos, tô deixando ir. Vou ser substítuido quando for embora. Ela diz que me ama, que estou distante e que sente minha falta. Mas eu não tenho certeza, ela não é muito confiável. Cuidado, pode abrir sua caixa.

Pandora, menina de sorriso fácil e palavras duras, ela não sabe amar.

Talvez seja o preço que os deuses cobrem por aquele grave erro anos atrás. Amor por destruição.

Reza a lenda que no fundo da caixa havia a esperança. Portanto, eu espero que sua dívida seja paga em breve, por agora você está causando muita dor.

Pandora, pobre garota. Enriqueça de espírito.

 

Thiago B.

Só mais cinco minutinhos…

Ele olha para a janela, fixadamente.

Algo lá fora o encanta. Sua mente e coração estão longe.

Um futuro lhe espera! Lá fora. Se perde entre a linha tênue entre a imaginação e o devaneio.

“Se está ruim agora, daqui a cinco minutos estará melhor”, é seu lema.

Sua permanente distração com o presente, o impede de lidar com os problemas de agora.

“Em cinco minutos estará tudo bem, cinco minutos é o que preciso”, ele repete. Como uma reza, um mantra.

Cinco minutos passam e ele continua olhando pra janela.

Ele não percebe, porque o futuro já virou presente.

 

Thiago B.