Arquivo mensal: julho 2011

Certo dia acordei de sonhos perdidos.

http://db.tt/WuPnwVb

Remexo na cama e não durmo, porque tem lágrimas no meu travesseiro. Por fora, o mundo está num silêncio que perturba. Mas dentro de mim, o barulho de pensamentos voando, indo a torto e a direita, me ensurdece. A culpa, serelepe como só ela, já fugiu e se escondeu. E eu, tolo que sou, continuo a procurá-la com uma foice na mão.  Não adianta, desse jeito não serei capaz de dormir nunca. Acendo a luz, leio algum romance barato, retomo meus vício de cigarro, escrevo cartas com teor altamente brega. Não adianta, você continua lá, indo e vindo pelo meu pensamento, monstruoso, como se o visse num espelho barato. Algo está errado, não deveria ser assim.

Mas algo eu entendi, não que seja muito consolador.  Já faz tempo que você sofre, que se encontra nessa zona de dor e sofrimento. Quer saber? Já ficou confortável sua situação. Você fica aí, nessa inércia sem fim. Eu queria ver mesmo era você levantar a cabeça e sair da sua zona de conforto. Encarar o sol sem a peneira. Chutar a preguiça e o balde da barraca.

Foi o que eu fiz. Desisti de você. Só desse jeito pude me livrar daquelas amarras. Aliás, eu fiz o que tu pedistes. Me afastei, e claro que sinto saudades, mas eu não posso fazer mais nada por você. Isso já me roubou o sono. Certo dia acordei de sonhos perdidos.

Estou deixando nossa guerra para trás. Palavras não são adagas, e eu não sou um soldado

Belisque-se. Vai descobrir que você não está dormindo ás 00:00.

Thiago B.