A aventura do andarilho em busca de conselhos na terra da poesia furada

Seguia tranquilamente pela estrada que sempre andou. Alguns empecilhos aqui e acolá, tropeçando e caindo como todo andarilho.  Nunca se deixou cair por completo no chão irregular, sempre acreditou que toda aquela caminhada valeria a pena. Não me pergunte o porquê. Não posso explicar a fé cega de um homem em busca do que nem ele sabe.

E ele continuou sua jornada. Sem previsão nenhuma, arrumou uma companhia. Pouco agradável no começo, é verdade. Mas pelo menos o homem-cinza estava lá pra quando ele precisasse. E ele precisou muito. O homem-cinza o impediu de arrancar seu coração e jogá-lo num vale sem fundo. Quando ele doer, você vai saber que ele ainda existe, foi o que ele falou.

O homem-cinza viu que o andarilho precisava de urgente ajuda, ou não aguentaria mais muito tempo. Por isso levou ele à sua terra natal. A terra da poesia furada.

O serelepe andarilho conheceu muita gente interessante no pitoresco lugar.  A incrível Poetisa, titereiro de palavras. O maravilhoso Rocky, conselheiro geral da nação (além de multitalentoso). A amável Mashmallow, criadora oficial dos sorrisos, risos e afins. O próprio Homem-cinza, que não tinha função definida naquele estranho lugar. Um gentil catalogador de corações, chamado Borra. Por último, o andarilho encontrou a misteriosa Pandora.

A atmosfera do lugar tinha um inconfundível cheiro de café. Andarilho se sentia tão bem naquele lugar, que fez o inimaginável: parou de andar sem rumo. A partir daquele dia, iria morar na terra da poesia furada.

Mas acontece que ali, naquele lugar longe e isolado e mágico, apareceu alguém que também andava em busca do não-sei-o-que que o andarilho buscava. O andarilho foi tentar ajudá-lo, afinal ele já esteve naquela situação.

E aquela sensação de “o que mesmo que se passa” voltou  a acometer o pensamento do andarilho. E ele aprendeu a buscar conselhos naquele lugar. Assim se iniciou a busca de conselhos.

Primeiro, andarilho foi no catalogador de corações. Borra disse para ele ter cuidado,que a essência de seu coração tinha mudado,  e quando andarilho pediu mais explicações, ele disse apenas ” outro desses corações, não!”

A próxima parada foi o Rocky, conselheiro oficial de todos. Mas Rocky disse aquilo que o andarilho não queria ouvir.  E como um garoto mal criado, andarilho fechou os ouvidos.

Não queria falar com o Homem-cinza, pois ele começava a ganhar cores e não havia o porquê interromper esse progresso. A vez de ajuda era do andarilho.

No final, foi Poetisa quem disse o encheu a mente e o coração do atrapalhado andarilho. Ela disse ” Não tenha medo se as coisas estão acontecendo muito rápido. Algumas coisas levem tempo, outras não. Simples assim. Não tenha medo de cair, você não teve medo antes. Talvez você esteja mais perto do que nunca de achar o que sempre quis”

Mashmellow ajudou a cuidar do visitante, então não seria a pessoa ideia para esse conselho em específico.

Não pediu conselhos para Pandora.

E assim o andarilho voltou a andar, buscando. O mais importante é que mesmo assim, ele havia achado seu lugar. E mesmo continuando confuso, ia manter aquele que ali chegou, sem pedir licença.

Na terra da poesia, as alegorias e alegrias fazem de todos os habitantes, um povo que tem esperança, mas não espera. Que chora, mas chora de felicidade também. Que sabe que na ausência de um bom amigo pra aquecer a alma, um café mantêm todos unidos. Sendo assim, brindemos e celebramos esses momentos de puro aroma de alegria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s